Compartilhe!

3,2 mil estudantes cearenses que ainda não tinham completado o ensino médio foram autorizados pelo Conselho Estadual de Educação (CEE) a ingressarem em um curso superior.

Alunos

Perfil são de estudantes com idade entre 14 e 16 anos que passaram no Enem, mesmo sem ter concluído o ensino médio (foto: reprodução)

O balanço é relativo aos últimos dois anos e comprova a mudança de postura da autoridade educacional em relação a pessoas que demonstram capacidade de entrar em uma faculdade, apesar de muito jovens. Em todo os casos, os alunos passaram no Enem e em testes feitos na escola de origem.

O caso mais recente foi o do estudante de Sobral (a 230 Km de Fortaleza), que foi autorizado pelo CEE a cursar Medicina na UFC. Um dos exames de Tiago Sampaio, 15 anos de idade, foi realizado na escola para saber se ele estaria apto a receber a conclusão do ensino médio.

Mesmo com todo esse avanço, porém, alguns alunos que conseguem o feito de passar no Enem antes de concluir o ensino médio ainda enfrentam resquícios de um modelo mais conservador de educação. É o exemplo do estudante Henrique Matias, de 16 anos de idade, no município de Aracati (a 148 Km de Fortaleza).

Ele foi aprovado nas duas provas de Enem seguidas que fez no último biênio. Contudo, segundo a mãe dele, Alessandra Matias, a escola particular na qual Henrique estuda não quer realizar o exame, apesar da autorização do Conselho Estadual.

Mãe de estudante não consegue falar com o colégio

“Eu ligo para a diretora do Instituto São José, mas eles nem atendem às ligações. Antes disso, eles me disseram que isso era uma bobagem e que o certo era cursar todo o ensino médio. O pior é que amanhã (terça-feira,22) será o último dia para se inscrever”, conta a mãe. Henrique passou para Ciência e Tecnologia na Universidade Federal Rural do Semi-Árido do Rio Grande do Norte (Ufersa).

“Isso é um desacato ao Conselho de Educação. Estou com toda a documentação em mãos. Tenho apoio, inclusive, da secretaria de educação do município, formada por pessoas que foram professores lá nessa mesma escola”, lamenta a mãe.

Escola tem que acatar decisão do Conselho

O presidente do Conselho Estadual de Educação, professor Edgar Linhares, afirmou que vai entrar em contato pessoalmente com a direção do colégio para que seja cumprida a autorização do Conselho. “Ao longo dos últimos dois anos, 3,2 mil pessoas foram atendidas em casos semelhantes. Ou tinham apenas o primeiro ou o segundo ano do ensino médio. Outros não tinham terminado o terceiro ano ainda. Nesse ponto, a lei é muito saiba. De acordo com a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), artigo 24, independentemente de estudos anteriores, qualquer pessoa pode solicitar à escola que defina, mediante exame, o nível em que ela se encontra”, explicou o professor Edgar.

A diretora do Instituto São José, conhecida como Dona Núbia, foi procurada pela reportagem, mas funcionários da escola disseram que ela estava sem poder atender às ligações por conta do retorno das aulas na manhã desta segunda-feira (21).

 Fonte: Diário do Nordeste

Compartilhe!